sábado, 30 de abril de 2011

CUMPRIR COM TAREFAS E DEIXAR DE ENROLAÇÃO


Engraçado como as reclamações surgem a medida em que uma tarefa não cumprida ainda, tem seu prazo esgotado pelo tempo desperdiçado. Desde o início do período letivo que a atividade prática da disciplina de Produção e Tecnologia de Sementes foi estabelecida, com tempo suficiente para elaboração do projeto e entrega para que o professor pudesse fazer suas correções e devidas sugestões. O prazo para entrega do projeto compreendia praticamente 21 dias, estendido por mais uma semana a pedidos, o que naturalmente, implicaria na redução do tempo para sua execução. Entendo que, o pedido de prorrogação do prazo para entrega, invariavelmente afetaria sua execução, mas isto não seria, como NÃO É, justificativa para chegar a esta altura dizendo que o prazo para aplicação da consulta às comunidades é curto ou insuficiente.

Mesmo assim, não consigo compreender como mais de um mês seria insuficiente para aplicação de um questionário, se em períodos letivos passados, nossos alunos tinham que montar experimentos e conduzí-los, mesmo com a restrição de equipamentos, material de consumo e espaço nos LABASEM e, mesmo assim, conseguiam cumprir suas tarefas. Fico a pensar - Será que o tempo destinado a aplicação de um questionário deve ser tão extenso? Não estaria outros motivos por trás dessa alegação de que o tempo é insuficiente? Ou será que a diferença está no fato de que a atividade prática agora é individual e com isto fica mais evidente a identificação daqueles alunos que sempre esperam pelos colegas para cumprir com as tarefas atribuídas quando devem ser realizadas em grupo?

Enfim, são muitos os questionamentos que pairam na mente do professor. Mas não vou me ater a este tipo de preocupação que definitivamente, não é minha! E nem quero ouvir. "ah professor! Não só tenho a sua disciplina!". Afinal, vocês são autores da matricula efetuada.

Mas, isto me leva a outro tipo de preocupação. O efetivo cumprimento da atividade seguindo os preceitos estabelecidos e a veracidade dos resultados a serem apresentados. Isto sim me preocupa! Afinal, nossa intenção é possivelmente publicar tais dados. O que só farei se de fato me sentir seguro de que a atividade foi feita de forma séria e compromissada. Farei o possível para constatar este fato, como exigir dos alunos (fotografias das visitas realizadas, entrega dos questionários aplicados com os respectivos endereços e identificação dos entrevistados, etc...). Meios não faltarão para constatar a veracidade dos trabalhos a serem apresentados.

Tenho sido por demais complacente. Aceitando ou cobrando muito pouco dos trabalhos e provas realizadas e entregues na disciplina. Passar a mão na cabeça, fechar os olhos, se fazer de desentendido, não será realizada com a atividade prática em questão!

Diante dos fatos, vou tentar orientar para que o êxito na atividade seja atingido, sendo assim tentem:

  1. Defina prioridades Entender como as atividades de seu dia podem ajudar a atingir seus grandes objetivos é uma estratégia poderosa para deixar de adiar tarefas.
  2. Mantenha o foco Classifique suas obrigações para saber o que fazer primeiro. Divida-as em:
    • Importantes: Devem ser o foco porque trazem benefícios para você.
    • Urgentes: Significam que você já perdeu o prazo e, por isso, deve atacá-las imediatamente.
    • Circunstanciais: São compromissos ou tarefas que não tem relação com seu projeto pessoal. Evite-as.
  3. Estabeleça prazos Sem eles, nada sai do papel
  4. Pense em etapas Divida as tarefas em passos rápidos de cumprir. Elas ficam menos assustadoras.
  5. Faça uma lista diária Planeje como usar o dia, de acordo com a importância das tarefas.
  6. Seja realista Planejar mais tarefas diárias do que é possível cumprir só trará dois resultados: trabalho por fazer e frustração.
  7. Antecipe urgências Elas aparecerão. Uma boa medida é deixar 30% de suas horas de trabalho disponíveis para resolver esses problemas.
  8. Não confie na memória Use o celular e o computador gerenciar suas atividades.
  9. Premie-se Estabeleça prêmios para etapas cumpridas. Vale um jantar em um lugar especial ou mais tempo para dormir.
  10. Repita: "é só começar" Os psicólogos dizem que assim que começamos uma tarefa percebemos que ela não é tão repulsiva quanto parecia. Obrigue-se a começar.
  11. Faça uma coisa por vez Não somos multitarefas. Estudos sugerem que quem faz várias atividades ao mesmo tempo tem um desempenho ruim em todas.
  12. Livre-se do vício do e-mail" Conferir sua caixa de entrada a cada duas horas é o suficiente. Se algo for muito urgente, as pessoas ligarão.
  13. Resista às redes sociais Não é preciso ficar online o tempo todo. Já há sites que atualizam várias redes de uma só vez.
  14. Bloqueie a internet Para escapar da tentação de navegar a esmo, use aplicativos como o Freedom, que bloqueia a internet por até 8 horas, ou o Selfcontrol, que barra apenas os sites que você escolher.
  15. Conte o tempo Ajuda a perceber que gastamos mais minutos do que pensamos com distrações e que cumprir tarefas simples é mais rápido do que imaginávamos.
  16. Mantenha a ordem Uma pessoa pode perder 40 minutos por dia procurando por materiais e informações.
  17. A regra dos 15 minutos" É o tempo para fazer coisas chatas, como arrumar a casa. Ajuda a manter a ordem.
  18. Crie hábitos Insista na rotina de organização por várias semanas até ela se tornar automática.
  19. Valorize o lazer Reserve horários para se divertir. Relaxar ajuda a aumentar a produtividade.
  20. Perdoe-se Quem se perdoa por uma enroladinha age rapidamente para cumprir a tarefa que postergou.
Por fim, enrolação não é o objetivo da atividade prática que lhes foram atribuídas!




6 comentários:

whalamys disse...

Fico a pensar se os questionamentos que pairam na cabeça dos professores são equivocadoso. Vamos pensar! Quando na realidade não é um único aluno, mas a de quase 90% desses? Quando o problema é isolado pode-se até pensar nessas possibilidades descritas, mas e quando o problema é em conjunto? Serão todos os alunos assim descritos? Fico a pensar nessa outra possibilidade. A realidade dos alunos é bem diferente do que se pode imaginar, uma vez que nem todos tem condições está se locomovendo com frequencia aos locais de aplicação e quando isso é possível, outras "urgências" do meio acadêmico surgem. E o problema ainda maior é que nenhum ou quase nenhum aluno se manifesta, mas entre eles o assunto não é outro! Em um período de 6 meses nem sempre é possível concluir por completo uma disciplina, imagina com atropelos! Mas enfim embora o tempo seja curto ou não, faz parte da metodologia proposta, logo os resultados devem ser apresentados para obtenção de nota.

KILSON PINHEIRO LOPES disse...

Pois Bem Sr. Whalamys! Me parece que você está mesmo disposto a levar a frente, depois de dois meses (50%) de andamento da disciplina, o questionamento sobre a forma de condução da mesma por parte do professor. Lembremos que no primeiro dia, foi estabelecida toda a metodologia de avaliação da disciplina, e o Sr., assim como os demais, quase 90%, como você declara, tiveram oportunidade de questionar ou indagar naquele momento e não o fizeram. Agora é bem tarde pra isto. Uma coisa eu quero deixar bem claro aqui, não é obtenção de nota a intenção única da disciplina de Produção e Tecnologia de Sementes, mas sim, adquirir conhecimento a cerca do que é abordado na mesma. Se assim fosse, como frisei bem, muitas notas se quer existiriam mediante a qualidade de alguns trabalhos que venho recebendo. O trabalho prático continuará sendo exigido, pois acredito que ele é uma ferramenta de desprender vocês da sala de aula e começarem a vivenciar uma realidade mediante alguns temas que abordamos na disciplina. Solicitação recorrente em discussões do corpo discente. Os temas foram dispostos aos senhores, para que pudessem escolher. Em momento algum impus a nenhum de vocês pegarem este ou aquele tema. Cabia a vocês definirem mediante suas condições, qual seria mais conveniente para a execução, como muitos o fizeram, quando trocaram em tempo hábil o tema escolhido, depois de constatarem as possíveis dificuldades que poderiam encontrar. Sugiro que em vez de ficarem fazendo reclamações intempestivas, cuidem de cair em campo para terem o que apresentar no relatório final que se aproxima.

Tamires Araújo disse...

A discussão é bastante interessante e gostaria de deixar minha opinião apesar de não fazer parte da turma em questão. Em relação ao projeto da disciplina eu mesma fui umas das pessoas a pedir ao professor que não desistisse da atividade, já que não são muitas as aulas praticas e, nós alunos, precisamos muito tanto da pratica como da teoria. Período passado o trabalho foi realizado em grupo e realmente, o professor está com a razão, alguns alunos não tem o menor interesse em ajudar na condução do trabalho, por outro lado, o trabalho individual realmente fica complicado devido as varias outras atividades e compromissos com demais disciplinas e projetos. Deixo claro aqui que não tenho a intenção de defender ou apontar ninguém, apenas estou expressando minha opinião como aluna. E digo mais, o nosso trabalho, por exemplo, rendeu uma publicação, e outra já está em andamento, o que conta muito na vida acadêmica.

whalamys disse...

Sr. professor, gostaria de esclarecer alguns pontos. A princípio eu não reclamei da atividade em si, pois reconheço sua importância. Eu apenas frisei as dificuldades ocorrentes ao desenvolve-la, não falo apenas do tempo estabelecido de entrega dos resultados , mas também das condições que os alunos têm ao se deslocarem ao campo de desenvolvimento. Será então que para um ótimo desempenho dessa atividade seria necessário uma dedicação exclusiva à disciplina, que por si só têm várias atividades que subdividem as notas?! Não sei! A disciplina é realmente interessante, as explicações são ótimas, o rendimento está sendo muito bom, quanot a isso não há o que reclamar. Não proponho uma mudança na metodologia, pois sei que as dificuldades acontecem, mas há uma diferença entre ter dificuldade em desenvolver algo e ser inresponsável!

whalamys disse...

Tamires, há uma diferença muito grande em conduzir um esperimento in vitro e outro in vivo. Você como aluna do 8° período deve saber destiguir, pois o laboratório é proximo, você está sempre por perto pra observar, avaliar e obter resultados, mas no campo a situação é bem diferente, pois além de termos apenas alguns finais de semana para desenvolver as atividades, temos que ter condições de está se deslocando até o local, ou seja precisa de transporte por que são muito distantes, e questionar um numero significativo de prosutores com no minimo 20 perguntas, isso em comunidades diferentes, e tendo outras atividades urgentes de outras disciplinas. É complicado! Mas vale lembrar que as dificuldades nos traz perseverança!
As vezes expor o que pensamos pode ser suicídio, mas não poderia deixar de expor o que penso a respeito do que se refere a mim.

KILSON PINHEIRO LOPES disse...

A atividade prática continua sendo válida! As dificuldades surgem, sejam numa atividade prática realizada num laboratório ou em campo. Não pense que as atividades realizadas em laboratório nos períodos passados eram menos ou mais facilitadas. Existiam, como sempre existirão as "benditas" reclamações, insatisfações e/ou indisposições. Esclareço o que todos já deveriam saber: "O professor tem autonomia para definir a metodologia de avaliação a ser aplicada". E foi o que fiz, e repito, não deixei de solicitar a opinião dos senhores sobre as mesmas. Para concluir e dar um basta neste tipo de expediente, que não parte, nem de longe da maioria da turma, mediante consulta em sala, deixo aqui uma frase de Fernando Pessoa - "Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?"